Plantas Tóxicas

 

Algumas das plantas ornamentais que temos em nossos em vasos ou jardins podem esconder perigo por trás de sua beleza, sendo denominadas tóxicas. Em algum grau, toda planta apresenta alguma toxicidade, mas a denominação plantas tóxicas se aplica àquelas cuja ingestão ou contato provoca sintomas de intoxicação. Os princípios ativos são o que determinam a ação tóxica da planta.
O ideal é não permitir que seu animal tenha contato com qualquer uma destas plantas, evitando que haja ingestão e conseqüente toxicidade. Os filhotes de cães são os mais suscetíveis à toxicidade causada por ingestão de plantas tóxicas devido a curiosidade e hábitos de brincadeira.Caso seu animal tenha ingerido alguma destas plantas encaminhe-o imediatamente a um médico veterinário para que receba o tratamento e orientação adequados, caso necessário.

Plantas que afetam a orofaringe

Alocasia sp. (Orelha de Elefante)
Anthurium sp. (Antúrio)
Caladium bicolor (Tinhorão)
Dieffenbachia spp. (Comigo-ninguém-pode)
Monstera deliciosa (Costela de Adão)
Philodendron selloum (Banana de Macaco)
Philodendron sp. (Filodendro)
Sanseviera trifasciata (Espada-de-São Jorge)
Scindapsus aureus (Jibóia)
Spathiphyllum spp (Lírio-da-paz)
Zantedeschia aethiopica (Copo-de-leite)

Plantas que afetam o tubo digestivo

Allamanda cathartica (Alamanda)
Abrus precatorius (Olho-de-cabra)
Buxus sempervirens (Buxinho)
Hedera helix (Hera)
Ricinus communis – sementes (Mamona)


Plantas que causam distúrbio no sistema nervoso central

Datura suaveolens (Saia Branca)
Equisetum pyramidale (Cavalinha)
Hydrangea macrophylla (Hortência)
Ipomoea cairica (Ipoméia, corriola)
Ipomoea hederifolia (Ipoméia, jitirama)
Ipomoea purpúrea (Campainha)
Nepeta cataria (Cat Nip)
Nicotiana tabacum (Tabaco)
Palicourea marcgravii (Erva-de-rato)
Ricinus communis – folhas (Mamona)
Solanum fastigiatum (Jurubeba)
Solanum nigrum (Maria-pretinha)
Solanum sisymbriifolium (Mata-cavalo)


Plantas que afetam o funcionamento cardíaco

Allamanda blanchetti (Alamanda Roxa)
Allamanda cathartica (Alamanda)
Asclepias curassavica (Falsa erva-de-rato)
Mascagnia pubiflora (Cipó-prata)
Nerium oleander (Espirradeira)
Rhododendron sp. (Azaléia)
Thevetia peruviana (Chapéu de Napoleão)


Plantas hepatotóxicas

Cestrum nocturnum (Dama-da-noite; jasmin-verde)
Crotalaria micans (Guizo-de-cascavel)
Senecio brasiliensis (Maria-mole)
Senecio cineraria (Cinerária)
Senecio mikanioides (Hera-alemã; trepadeira-senécio)
Symphytum officinale (Confrei)
Vernonia rubricaulis (Vernônia)


Plantas que causam dermatite de contato

Euphorbia cotinifolia (Sangue-de-boi)
Euphorbia milii (Coroa-de-Cristo)
Euphorbia pulcherrima (Bico-de-papagaio)
Euphorbia tirucalli (Avelós; dedo-do-diabo)
Ficus pumila (Unha-de-gato)
Lantana camara (Cambará; camaradinha)

 

Muitas das plantas tóxicas são de importância relevante para a criação de animais rurais, já que podem ser encontradas com facilidade em regiões destinadas ao pastoreio de alguns rebanhos, em particular na região centro-oeste do país.

Na sua maioria, as plantas tóxicas não são palatáveis aos bovinos. Porém, a fome, causada por seca ou cheia, superlotação, queimada, mudança de pastagens e viagem, e deficiências minerais levam o animal a ingerí-las. Portanto são responsáveis por graves afecções, principalmente se ingeridas repetidas vezes, podendo ocasionar, até mesmo, morte súbita.

 

Plantas cianogênicas

Beta spp. – folhas (Beterraba)
Malus sp. – sementes (Maçã)
Manihot esculenta (Mandioca-brava)
Pyrus sp. – sementes (Pêra)
Zea mays – folhas (Milho)


Plantas que causam intoxicação por nitriros/nitratos

Brachiaria radicans (Braquiária)


Plantas que causam intoxicação por oxalatos

Oxalis sp. (Azedinha; trevinho)


Plantas de ação carcinogênica

Pteridium aquilinum (Samambaia-do-campo)


Plantas que podem causar morte súbita

Palicourea marcgravii (Erva-de-rato)
Vernonia rubricaulis (Vernônia)
Mascagnia pubiflora (Cipó-prata)
Enterolobium contortisiliquum (Ximbuva)


Plantas que causam necrose muscular

Senna occidentalis (Chuva-de-ouro; fedegoso)

 

Telefones para contato com os Centros de Controle de Intoxicações:

Curitiba - CIT/PR 0800.410.148
Florianópolis - CIT/SC (48) 331.9535
Porto Alegre - CIT/RS 0800.780.200
Salvador - CIAVE/BA 0800.284.4343
São Paulo - CEATOX/SP 0800.148.110
São Paulo - CCI/SP (11) 5011.5111

 

Fonte: Tia Vet Veterinária

Link: http://www.tiavet.com.br